Gastrointestinal, Sistema

GASTROINTESTINAL, SISTEMA

(método - idade em que iniciou tratamento - tempo que durou - peso perdido)       Legenda


azia
colite
colite ulcerosa
    5. Marilyn de Maine   (aleluia  na   5 sem  15kg)
   
16.  Jeremy Larson (Aleluia  na  3 sem)
diarreia
   
19. Virginia Eansen, Florida (Aleluia  na  3 sem)
   
23. Imogene Wallace, West Virginia
doença de Crohn
flatulência
hemorróidas
    1.  George H. Malkmus e Rhonda Malkmus
intestino, sangramento
meteorismo
muco e catarro
   
27. Jane Murtagh    (Aleluia)
outros
prisão de ventre
refluxo esofágico
síndrome do cólon irritável

Boca
doença periodontal
gengivas, inflamadas
gengivas, sangramento
tártaro
    
25. Michelle Watkins   (Aleluia  na  na   4 kg)
vómito
    
23. Imogene Wallace, West Virginia


- - Estudos, etiologia



1.  George H. Malkmus e Rhonda Malkmus

No dia 12 de Fevereiro de 1934, por volta das 7:24 da manhã, eu entrei neste mundo. Não me lembro do acontecimento. As minhas primeiras recordações remontam à idade dos três anos.  Eu me lembro de chorar ao ser empurrado numa cadeira de rodas pelo corredor do hospital até à sala de operações onde os médicos retiraram as minhas anginas. Outras recordações claras são as frequentes idas ao dentista e a dor terrível associada à broca para perfurar o dente e colocar a obturação. Quando cheguei à adolescência todos os dentes na minha boca tinham duas ou três obturações.
    Aos vinte e tal anos, quase trinta, comecei a usar óculos com lentes grossas e quase todos os anos aumentava a graduação à medida que os meus olhos lentamente se deterioravam. De facto, a minha saúde ia-se acabando com novos problemas físicos surgindo um após outro: sintomas como hemorroidas, sinusite aguda e alergias, pressão alta e fadiga; iam-se acrescentando às borbulhas na cara que eu já tinha desde a  juventude.  A culminação destes muitos  males físicos chegou na idade dos quarenta e dois quando o médico me disse que eu tinha um cancro do cólon.
    Esta notícia devastou-me pois ainda há pouco tempo tinha assistido à morte da minha mãe depois de uma batalha horrível contra esta mesma doença. Os médicos me disseram que foi uma fraqueza genética herdada da minha mãe que tinha causado o meu cancro. O médico tinha primeiro atribuído a minha pressão alta ao meu pai, que teve vários ataques de coração e derrames antes de finalmente morrer com um ataque fulminante de coração.
    Será que todos estes problemas físicos que eu e os meus pais aprensentamos são um fenómeno natural e incontrolável, ou haverá talvez uma explicação melhor que explique a razão porque eu e os meus pais e todos os seres humanos sofremos quebra física?
    Ao recordar as agonias que a minha mãe passou quando se entregou aos tratamentos tradicionais cirurgia, quimioterapia e radiação, eu resolvi procurar conselho noutro lugar. Então, em 1976, eu visitei um velho amigo pregador, o Irmão Lester Roloff, que me animou a trocar a minha alimentação típica americana padrão para a alimentação original que Deus deixou à humanidade em Génesis 1:29.
    Mudei a minha alimentação e realmente ao fim de um ano todos os meus males físicos (inclusive o meu tumor do tamanho de uma bola de ténis) tinham simplesmente desaparecido. Desde que fiz essa mudança há mais de vinte anos não tenho tido nenhum tipo de doença ou quebra física.
    Em Janeiro de 1991, Rhonda (que agora é a minha esposa) participou de um seminário sobre saúde que eu estava guiando. Na época ela sofria de artrite reumática e estava excessivamente gorda. Ela não conseguia virar a cabeça mais do que dois ou três centímetros em qualquer direção por causa da artrite. Não podia andar um quarteirão sem tremenda dor e dificuldade. Às vezes ela chegava a tomar seis ibuprofen por hora por causa da dor. Um ano depois de ter mudado de alimentação, já tinha perdido 42 Kg, passou a usar tamanho 33 em vez de 56 em vestidos e todas as manhãs fazia 6 Km a pé em menos de uma hora sem dor. Todos os problemas de artrite desapareceram.
(Back to the Garden, revista Nº 18 – Primavera/Verão '99)


5. Marilyn de Maine   (aleluia  na   5 sem  15kg)
Ao ler a carta de hoje fico tão grata pelo Estilo de Vida Aleluia. Quero agradecer ao reverendo Malkmus, a você e a Carla e Gail que são os diáconos  da saúde na minha região.
     O médico diagnosticou em mim uma colite ulcerativa quando eu tinha 25 anos de idade. Nesse mesmo ano fui operada a um cancro cervical. As dores eram horríveis e o sangramento no ventre só piorava. Fui muitas vezes hospitalizada e me davam uma dieta exclusiva de líquidos, e isso, por incrível que pareça, ajudava muito, mas depois mandavam-me para casa fazendo uma alimentação padrão americana e voltava a ficar pior. Com os anos os meus remédios aumentavam.
    Em 1994, depois de um ataque de pneumonia os médicos descobriram que eu tinha COPD [DPOC - Doença pulmonar obstrutiva crônica]. Me disseram que a partir desse ponto eu teria que usar máscara de oxigénio. Eu parei imediatamente de fumar (depois de 33 anos fumando como uma chaminé) e entrei numa dieta de emagrecimento. Consegui perder 8 Kg e a partir desse altura parei de usar oxigénio. Além disso comia legumes e ervas no valor de 125 dólares por semana.
    Em 1995 fui hospitalizada e colocada no CTI com psoríase pustular. O meu corpo em 82% da sua área apresentava-se vermelho e inchado exactamente como se fossem queimaduras. Os médicos imediatamente me colocaram sob fortíssimas doses de esteroides IV. Tiraram uma biópsia e descobriram que o mal provinha de esteroides que eu tinha tomado durante todo o ano anterior no tratamento da pneumonia. As perspectivas eram sombrias. Me deram um remédio chamado Tegison que ajudou mas começou a destruir o meu fígado. Além disso enquanto tomava as doses fortíssimas de esteroides a vávula entre o coração e os pulmões rebentou o que causou hipertensão pulmonar. Uma doença que diariamente provoca insuficiências cardíacas congestivas.
    Para poupar tempo, deixe-me dizer que quando soube do Estilo de Vida Aleluia os médicos já não tinham nenhuma esperança de que eu pudesse ficar curada.
Ao fim de cinco semanas no Estilo de Vida Aleluia:
Perdi 15 Kgs.
Não tomo remédio nenhum exceto Lasix para me ajudar a reter água. Eu estava a tomar mais de 18 remédios diferentes.
Não uso mais oxigénio, o que usava 24 horas por dia.
Posso sair a fazer compras e andar, uma impossibilidade há mais de três anos.
Não uso mais inaladores e nebolizadores
Evacuo normalmente sem sangue, sem dor, e como você diz, sem passar a vida entrando e saindo do quarto de banho.
A minha pele é normal sem vermelhidão.
Estas são apenas algumas entre as muitas razões por que eu agradeço diariamente a Deus pelo Estilo de Vida Aleluia – um estilo de vida que realmente me devolveu a vida que Deus queria que eu tivesse.
Obrigada.
Marilyn de Maine
(www.hacres.com/html/mailbag.html, e-mail 5 de Abril de 1998)



16.  Jeremy Larson   (Aleluia  na  3 sem)
Eu sempre estive em ótima forma física até à um ano e pouco atrás quando adoeci com colite. Era um grande corredor e muito atlético. Fui campeão estatal de atletismo... ninguém me parava! A vida era boa! Tinha uma namorada linda e estava a estudar para me tornar médico quiroprata. Aí comecei a ter sintomas... e passei a vida a entrar e a sair do hospital e salas de emergência. Colite ulcerativa é um desapontamento e tanto, é uma espécie de montanha-russa que nunca termina, enquanto a gente fica cada vez mais doente ao ponto de não se aguentar mais. É preciso ir a correr para o quarto de banho. Logo depois de evacuar, sente-se vontade de fazer mais e mais, até que o quarto de banho vira prisão. A gente se sente fraco e doente com febre alta. As cólicas abdominais nunca vão embora. A anemia provocada pela perda de sangue faz-nos querer ficar na cama... Eu não sabia se haveria alguma esperança. Experimentei todo o tipo de suplementos e coisas que diziam que ajudava, e a reação era uma diarreia ensanguentada pior do que todas antes... Me davam drogas até não poder mais mas nada realmente funcionava (desde anti-inflamatórios até medicação corticosteroide) Eu queria fazer a operação em que eles cortam o intestino grosso e colocam um saco do lado de fora. Cheguei a esse ponto. Estava desesperado e morrendo rapidamente. Finalmente apresentaram-me a Dieta Aleluia... Quando comecei a tomar o sumo de cenoura, iniciou-se uma mudança completa. Eu não queria acreditar! Comecei a melhorar. As minhas lágrimas de tristeza transformaram-se em lágrimas de alegria. Ao fim de duas semanas me sentia muito melhor e na terceira semana me sentia melhor do que há um ano a esta parte. Foi um milagre...
(Back to the Garden, revista Nº 18 – Primavera/Verão de 1999)



19. Virginia Eansen, Florida (Aleluia  na  3 sem)
Entrei na Dieta Aleluia há apenas três semanas. Não dá para acreditar, a minha diarreia de 35 anos parou! Fiz tratamentos ao longo dos anos – precisei até de transfusões de sangue, mas sem resultado. Eu sei que isto parece ser bom de mais para ser verdade, mas é bem verdade!
(Back to the Garden, revista Nº 18 – Primavera/Verão de 1999)


23.  Imogene Wallace, West Virginia
Muito obrigado pelo seu maravilhoso ministério... Eu ouvi-o pela primeira vez na rádio WOVK em Wheeling, West Virginia, há uns meses, e que bênção isto tem sido. Uma amiga minha estava morrendo de tanto vomitar e diarreia e não havia nada que a curasse, nem remédios nem oração. Então dei-lhe um frasco de Barley Green e isso salvou a vida dela. Quanto a mim, o Barley Green fez com que eu recuperasse a saúde como eu tinha há 8 ou 10 anos. Mais energia, mais alerta mentalmente e posso comer o que eu quiser, até mesmo uma salada enorme todos os dias. Faço os meus sumos e afasto-me da carne, do peixe e dos lacticineos. Que diferença fez na maneira como me sinto...
(Back to the Garden, revista Nº 13 – Inverno/Primavera de 1996)



25. Michelle Watkins   (Aleluia  na  na   4 kg)
A Michelle Watkins escreve: “Estou tão agradecida por um amigo me ter falado sobre o vosso ministério Hallelujah. Desde que comecei com esta nova forma de me alimentar perdi 4 quilos, o meu hálito está melhor, e o tártaro nos meus dentes desapareceu. Tanto o meu filho como eu temos fibromialgia e estamos a sentir mais energia. Foi difícil retreinar a maneira de pensar do meu filhos “preciso de proteína da carne e do leite”, mas depois de ler parte do seu livro que falava sobre campeões olímpicos que eram vegetarianos ele decidiu experimentar os sumos. Deu-me um abraço um dia depois do treino de futebol americano e agradeceu-me por lhe fazer o sumo de cenoura e maçã. Disse que tinha mais energia para correr e já não se sente tão exausto depois dos treinos. Vai deixar os laticínios e espero retirá-lo da carne. É difícil retreinar uma família cheia de adolescentes e um marido que cresceu na DAP (dieta americana padrão), mas não vou desistir! Obrigado por tudo o que faz e fico na expectativa das vossas dicas de saúde semanais.”
(Hallelujah Health Tip, issue #196, 23.08.01)





 
27. Jane Murtagh    (Aleluia)
Jane Murtagh escreve o seguinte: "Gosto de vocês e do trabalho que fazem. Sempre tive imenso muco e expectoração na garganta, desde que me lembro. Em Janeiro passado deixei de comer carne e lacticínios e adoptei a Dieta Aleluia. Já não tenho muco na garganta. É como se fosse um milagre. Obrigada!"
(Hallelujah Health Tip, edição n.º 193, 2.08.01)






Estudos, etiologia

Bruxismo (dentes)
  causa?: Telemóveis
  Hugo Dunkel
  http://saude.acordem.com/menu/1/50077//





 



Legenda

método:   aleluia = Dieta Aleluia (http://www.hacres.com/) tempo que durou: sem = semanas
na = dados não disponíveis;           
        



 

©2017, BlogTok.com | Plataforma xSite. Tecnologia Nacional